Histórias da Ditadura

Referências

Autor

Lucas Figueiredo

Título

Olho por olho – os livros secretos da ditadura.

Formato

Livro

Palavras-chave

Repressão, Orvil, Editora Record, 2011

Sinopse

8501084972_kv

A guerra entre os defensores e os opositores da ditadura militar no Brasil (1964 a 1985) foi longa e suja. O que durante duas décadas não se soube é que o confronto derradeiro mobilizou menos de 40 combatentes de cada lado, foi silencioso — quase invisível — e durou 28 anos: de 1979 a 2007. Um conflito que extrapolou, assim, o próprio período da ditadura. A última batalha dessa guerra foi travada por dois livros. Brasil: nunca mais — a “bíblia” sobre a tortura praticada pelas Forças Armadas — e o menos conhecido Orvil, a resposta do Exército, sobre a guerrilha e o terrorismo de esquerda.

Os bastidores dessa batalha, com detalhes de cortar o fôlego, estão agora reunidos no livro OLHO POR OLHO: OS LIVROS SECRETOS DA DITADURA, do jornalista Lucas Figueiredo. Na obra, Figueiredo — com três Prêmios Esso de Jornalismo no currículo — revela toda a tensão dos seis anos de trabalho sigiloso do Brasil: nunca mais.

E traz à tona o Orvil, o livro de quase mil páginas que o Exército produziu para rebater o Brasil: nunca mais, mas que nunca foi publicado, tornando-se assim talvez o mais volumoso documento secreto das Forças Armadas. Depois de ter acesso a uma das quinze cópias sigilosas do Orvil, o jornalista constatou um fato impressionante: no livro secreto, o Exército confessa o envolvimento na morte de duas dúzias de presos e desaparecidos políticos.

Lucas Figueiredo nasceu em Belo Horizonte em 1968. Trabalhou na Folha de S.Paulo, como repórter e chefe de reportagem, e no Estado de Minas, como repórter especial. Colaborou com O Estado de S.Paulo, o serviço brasileiro da rádio BBC de Londres e as revistas Rolling Stone, Playboy, Caros Amigos, Superinteressante, Revista MTV, Nossa História e Defue Sud (Bélgica), entre outras.

Figueiredo recebeu três vezes o Prêmio Esso, o mais importante do jornalismo nacional – em 2007, foi premiado, na categoria Reportagem, com a série de matérias que revelou o conteúdo do Orvil, publicada simultaneamente no Correio Braziliense e no Estado de Minas. O jornalista também foi agraciado com os prêmios Imprensa Embratel e Folha. São de autoria de Figueiredo os livros-reportagem Morcegos negros(2000), Ministério do silêncio (2005) – menção honrosa do Prêmio Vladimir Herzog – e O operador (2006), todos publicados pela Record

Classificação
[Total: 0    Média: 0/5]

Comentários

Deixe uma resposta