top of page
  • Foto do escritorGraciella Fabricio da Silva

Educação e movimento estudantil no Brasil (2015-2021)

Atualizado: 13 de abr. de 2022

Neste texto, pretendo analisar o significado das mudanças e interferências da classe dominante em relação à legislação educacional desde o golpe contra Dilma Rousseff até o governo Bolsonaro, observando a forma como o movimento estudantil lidou com essas questões.

O biênio 2015 e 2016 foi marcado por uma série de lutas travadas na sociedade brasileira. Entre elas, as protagonizadas por estudantes secundaristas talvez tenham sido as que mais ganharam destaque nas redes sociais e nas mídias tradicionais. Inspirados na “Revolta dos Pinguins” realizada por secundaristas e universitários das escolas e universidades públicas e privadas do Chile, em 2006, os jovens da rede estadual de ensino de São Paulo ocuparam mais de 200 escolas estaduais, no final de 2015. O objetivo era barrar a proposta de reorganização escolar do governo de Geraldo Alckmin (PSDB). Passados cerca de três meses desde o início das ocupações, a força da mobilização estudantil conseguiu fazer com que o governo paulista voltasse atrás no projeto que acarretaria o fechamento de unidades escolares e impactaria negativamente o cotidiano dos discentes e de suas famílias.

Ainda em 2015, os secundaristas do estado de Goiás também ocuparam as escolas públicas do estado. Lá, a finalidade era impedir que o governo do estado avançasse com o projeto neoliberal de privatização da gestão das escolas goianas por meio da contratação de Organizações Sociais (OSs). Após uma série de batalhas (marcadas por forte pressão do governo estadual), a Justiça considerou que a medida era ilegal.


FAE na UFMG ocupada. Midia NINJA. Wikimedia Commons.

O ano de 2016 se iniciou com o crescimento da luta secundarista, que se espalhou como uma onda para outros estados. Em março desse ano, estudantes das escolas estaduais do Rio de Janeiro deram início a um movimento que alcançou 80 escolas. Eles apoiavam a greve dos professores e incorporaram as reivindicações dos docentes, entre as quais se destacam o fim da avaliação externa aplicada pelo governo do estado (o SAERJ), a ampliação da carga horária das disciplinas de Filosofia e de Sociologia (que contavam com apenas um tempo de aula semanal, até então), o investimento na infraestrutura das unidades escolares e o fim do currículo mínimo imposto às escolas pela Secretaria de Educação do estado. Além disso, o passe livre estudantil e o direito à formação de grêmios autônomos constavam na pauta dos estudantes. O movimento durou três meses e se encerrou após uma série de audiências mediadas pela Justiça envolvendo os estudantes e a SEEDUC. Ainda nesse ano, ocupações ocorreram em outros estados (como Ceará e Bahia). As pautas eram semelhantes e apontavam para uma mesma questão: a precarização da educação pública causada pelas políticas neoliberais.

Ainda 2016, o golpe contra a presidenta Dilma Rousseff (PT) abriu caminho para o aprofundamento da precarização já existente no cotidiano da classe operária brasileira. Durante o governo de Michel Temer (MDB – 2016-2018), a agenda neoliberal foi fortalecida e novos ataques aos direitos dos trabalhadores e aos serviços públicos foram feitos. Como exemplos, pode-se citar a reforma trabalhista e a reforma do ensino médio. A primeira representava um retrocesso nos direitos dos trabalhadores e um aumento da precarização do trabalho, ao passo que a segunda preparou o sistema educacional para formar mão de obra conforme as necessidades do patronato na nova fase de precarização estrutural do trabalho. Se as mudanças na legislação permitiram a maior exploração da força de trabalho, as alterações na formação básica dos trabalhadores visavam adequar corações, mentes e corpos à nova realidade.

Essas medidas foram duramente criticadas e combatidas por diferentes frações da classe trabalhadora e do movimento estudantil. Este, mais uma vez, recorreu às ocupações para pressionar pela não aprovação da reforma do ensino médio. Estudantes secundaristas e universitários ocuparam mais de mil escolas e universidades de diferentes estados contra a proposta do governo Temer. Entretanto, dessa vez a pressão dos estudantes não foi suficiente para impedir a sua aprovação.

Tendo em vista o que ocorreu de 2016 até 2018, cabe perguntar como o governo Bolsonaro tem lidado com essa questão. É possível afirmar que ele não apenas deu continuidade, mas também aprofundou o processo de ataque à educação, por meio de medidas como: a redução do orçamento da área, propostas que tratam do ensino domiciliar, a tentativa de aprovar o projeto Escola sem Partido e a implementação da reforma do ensino médio. Nos próximos textos desta coluna, pretendo aprofundar algumas dessas medidas, observando seus efeitos e impactos.


Créditos da imagem destacada: Brasília - Alunos ocupam Colégio de Samambaia em ato contra a reforma do ensino médio, a escola tem 1,7 mil alunos e a aula foi cancelada (Wilson Dias/Agência Brasil). Wikimedia Commons.

 
  1. Ver ZIBAS, Dagmar. A “Revolta dos Pinguins” e o novo pacto educacional chileno. Revista Brasileira de Educação¸ v. 13, n. 38, maio/ago. 2008. Ver também o documentário de Carlos Pronzato, “A Revolta dos Pinguins”, disponível aqui: https://www.youtube.com/watch?v=tetACHaxxJU&t=26s. Pronzato também dirigiu um documentário sobre as ocupações realizadas no estado de São Paulo, em 2015, que pode ser assistido aqui: https://www.youtube.com/watch?v=LK9Ri2prfNw .

  2. Alguns problemas da reforma do ensino médio também foram apontados em artigo de minha autoria publicado aqui no História da Ditadura.


561 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

Comentarios


bottom of page